segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Moldes






Preciso abrandar minh'alma e acalmar esse sentimento que, exasperado, enraizou-se em meu coração flamejante.
Preciso abrandar os moldes que me deram ao longo dos últimos sete anos, preciso porque só assim abro caminho para as chamas que inundam meu ser. Talvez me sufoque menos, cresça um tanto mais, me reinvente maior que o próprio vento; talvez sofra a perda, ou adquira valores que me são diferentes; é meu risco. Mas ainda preciso abrandar os limites que me impuseram, preciso afrouxar os laços, apegar-me aos abraços, e confiar nos olhares. Preciso porque assim serei mais eu - que, na busca por mim mesmo, reinvento-me a todo segundo.
E já posso abrandar minha pele, esquentar meus dias, afogar meus medos. Caminho com uma multidão de livres e desgarrados, pois, neste caminho, ninguém é tão grande ao ponto de se bastar.

4 comentários:

  1. Embalando o post, Phil Cunningham toca Ceilidh Funk demonstrando sua habilidade multi instrumental fora do comum.

    Exegese à vontade!

    ResponderExcluir
  2. Confiar nos olhares.
    Você só precisa disso. Todo o resto é consequência.

    xD

    ResponderExcluir
  3. leiliane Albuquerque21 de dezembro de 2010 09:18

    Foi tão,mais tão sincero,bem escrito,que aconsidero teu melhor texto.
    Muito bom,adorei!

    ResponderExcluir
  4. Realmente, bem sincero o texto.

    ResponderExcluir

Espaço para exegese dos leitores; sinta-se à vontade para comentar!