quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Às frases nunca ditas




(...) e temos um pouco de tristeza interior constante. Uma sensação de que tudo vai acabar no instante seguinte, de que a fugacidade da vida é não nos permitir viver para sempre assim, próximos ainda que distantes, tristes ao mesmo passo que alegres.

Todos temos alguma tristeza interior, alguma pendência imediata, alguma frase que gostaríamos de dizer no momento chave; mas não dissemos, não resolvemos... E essas coisas fazem a vida pesar muito sobre nossos peitos.

Aos momentos não vividos e às frases nunca ditas!

Quando os cigarros se acendem, os tragos fazem a dor um pouco mais suportável; a tontura do álcool faz com que o mundo pare de despontar sentimentos que controlam Zahirs interiores, nossos medos, nossas angústias; até a ressaca, quando má, serve para esquecer o que ficou pendente, o que ficou perdido.

Quando me contaram que não é possível ter tudo, eu duvidei piamente. Hoje vejo que realmente não posso ter tudo; mas tenho amigos sinceros, pessoas que, como eu, também sofrem por seus valores pessoais; valores esses, que muito estimo. Não, não posso ter tudo, mas posso dividir minhas experiências com outros como eu, e participando de suas vidas acabo tendo a melhor parte de todas...



...o recheio do bolinho.

19 comentários:

  1. No sonora, Geraldo Azevedo em Talvez Seja Real

    ResponderExcluir
  2. "Não, não posso ter tudo, mas posso dividir minhas experiências com outros como eu, e participando de suas vidas acabo tendo a melhor parte de todas..."

    caralho henrique.
    foda.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. E a cada dia gosto mais dos teus textos e conheço mais você, de uma forma subjetiva, como você quer se deixar mostrar. Sempre lerei, sempre comentarei, sempre apreciarei. E que eu possa estar ao lado teu, acendendo cigarros e virando copos, seja lá em que estado de espírito estejamos.

    P.s.: "... o recheio do bolinho." Hã!?

    ResponderExcluir
  5. mas num é que existe mesmo alegria triste e tristeza alegre... e essa sensação da iminência do fim de tudo é o que 'nos move e nos faz parar' (numa paráfrase).

    já diria Toquinho, numa canção pra mim: "Tente ser feliz enquanto a tristeza estiver distraída".

    ;)

    ResponderExcluir
  6. O henrique adora bolinho kkkkkkkkkkkkk,ele quer de MARACUJÁ agora lalalalal //
    as vezes o silencio vale mais do q mil palavras...os olhares expressam uma paixao escondida,e no fim nada acontece!Quero dizer tudo acontece,depende o q significa para cada pessoa de nada e tudo!Mas,enfim,OS MELHORES MOMENTOS PODEM SER AQUELES Q NAO ACONTECERAM!

    ResponderExcluir
  7. Eu sinto que ele quer bolinho de CHOCOLATE. huahuahuahuahuahauh

    O que você falou agora é verdade Kinha... concordo em número e grau!!
    Ás vezes prefiro os momentos que não aconteceram, que so começaram a ser vivenciados e nos deixam com o quê de curiosidade, ansiedade e desejo.

    ResponderExcluir
  8. SAUHSUAHSUHSUH,EU VOTO NO DE MARACUJÁ!

    Mas enfim,óh q ansiendade e q desejo!=X
    eles me matam! q venham mais momentos assim!

    ResponderExcluir
  9. concordo com a kinha demais até!
    existem muitos bons momentos que jamais aconteceram! foi um ótimo complemento ao texto

    ResponderExcluir
  10. E esses momentos q nunca aconteceram, ficam sempre a dúvida, do q seria o depois desses momentos e isso na maioria das vezes torna-se agustiante...

    ResponderExcluir
  11. No sim, existe um não
    No céu, existe um chão
    Vencer também traz perdas.
    Sentir pode doer,
    Sorrir pode esconder,
    Viver tem suas mortes...

    ResponderExcluir
  12. caraca, tô adorando os posts de vocês; é isso ai anônimo, o lá e cá de cada um e todos nós. o nem lá nem cá acaba sendo nossa maior angústia e, por vezes, nosso melhor conforto!

    v6 estão fantásticos! meus parabéns!

    ResponderExcluir
  13. Inri Henrique!PARABENS PRA VC!Vc me inspira ;) // e esse anonimo,eu acho q eh joelma kkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  14. Eiiiiiiiiiii... sou eu nao!! Até queria que tivesse sido eu. Achei legal.

    ResponderExcluir
  15. o anônimo é desenrolado, gostei do complemento dele! hehehhehe

    ResponderExcluir
  16. Henrique? cadê vc? pq vc sumiu? pq não me responde? pq nãome atende? Lordão?

    ResponderExcluir
  17. Digo o anômino ñ é Joelma... e sim eu...
    q ao comentar assinarei como C.L...
    Obrigado(a) por terem gostado dos q postei...

    ResponderExcluir
  18. anônimo*
    do*

    assi: C.L

    ResponderExcluir
  19. rapaz, acho que sei quem é o anônimo!
    uehueuehuehuehe

    ResponderExcluir

Espaço para exegese dos leitores; sinta-se à vontade para comentar!