sábado, 26 de junho de 2010

Once in my life


Não. Não há uma forma certa de explicar isso. Vai ver não há explicação mesmo, vai ver se esqueceu de procurar.
Não, não esqueceu, ele fingiu. Ainda está lá, sempre estará; sempre em algum lugar.
Se pudéssemos entender; se fosse possível falar...

Meu lábio tá queimado
O dedo esfolado
Violão desafinado

Mas tô aprendendo a afinar


(Eu posso aprender a afinar! Repito).

Um comentário:

  1. a gente sempre aprende, se quiser.
    lindo texto.
    tá mandando bem, man.
    ;B

    ResponderExcluir

Espaço para exegese dos leitores; sinta-se à vontade para comentar!